Normal após Cesárea

Sete anos se passaram... Vivenciei muita coisa como doula. Partos longos, rápidos, fáceis, difíceis, em casa, na água, hospitalar, com e sem intercorrências.Todas estas experiências me fortaleceram enquanto mulher e doula.

Ao engravidar novamente foi uma emoção incrível e uma vontade imensa de vivenciar o parto normal.

Investi plenamente no meu bem estar e do bebê, participei dos meus grupos de preparação para o parto, pratiquei Yoga, fiz hidroginástica, meditação, massagens, terapia corporal. Foi uma gestação maravilhosa. Me senti plena e integrada com meu filho Gabriel.

Até algumas décadas atrás existia um slogan que dizia: “ Uma vez cesárea, sempre cesárea “. Ainda bem que as evidências científicas nos mostraram que qualquer mulher com gestação saudável poderá ter seu segundo filho de parto normal após cesariana. E eu fui uma dessas, vivenciei um lindo parto natural após uma cesárea.

Entrei em trabalho de parto no dia 04 de novembro de 2011, com 37sem de gestação. Na verdade comecei a sentir algumas contrações com dores à partir de 35 sem, mas nada muito intenso, apenas uma preparação do útero.


Fiz o meu pré natal com dois obstetras considerados humanizados aqui em Goiânia, Dra Valéria Valença e Dr. Luis Carlos Pinheiro adepto ao parto na água. Tinha a intenção em fazer o parto na água, mas justamente na semana do meu parto o médico adepto a este tipo de nascimento estava viajando, mas utilizei uma banheira comum infantil como alternativa para aliviar as dores do trabalho de parto.

Tive o privilégio de ser acompanhada pela Dra. Valéria Valença que sempre acolheu as minhas expectativas em relação ao parto normal durante o pré natal e pela Dra Lívia Martins que me acompanhou no meu primeiro parto e que atualmente atua como gineco e fitoterapeuta e se ofereceu em ser minha doula. Fiquei super feliz e honrada com a presença e atuação de ambas.

Meu marido esteve presente o tempo todo, me dando apoio, sustentando com muita tranquilidade toda a vivência do trabalho de parto. O equilíbrio emocional dele contribuiu muito, criamos uma ambiência muito descontraída, alegre, afinal estávamos celebrando a chegada do nosso filho.

Fui avaliada por volta das 9:00 da manhã e estava com 3 de dilatação, com contrações de 5 em 5 min, ou seja à partir deste momento consideramos que estava em franco trabalho de parto, estas dores iniciais lembravam cólicas menstruais, bem toleráveis. Foram 10 horas de trabalho de parto ativo.

Ao invés de ir para a maternidade optei em ficar na clínica da Dra Lívia pois lá foi um lugar que me senti mais à vontade, fiquei andando no jardim, em contato com as plantas, com a natureza, todo aquele ambiente me fez entrar em contato com a minha essência feminina e vontade de parir. Entre uma consulta e outra ela vinha fazia algumas massagens, transmitia todo o seu carinho e me passava muita confiança.



Neste momento o que a gente mais precisa é disso: carinho, atenção, respeito, privacidade, entrega, aceitação e confiança. Eu tive tudo isso, por isso minha experiência foi tão boa, em nenhum momento pensei em pedir analgesia, as dores eram intensas, mas se tornavam suportáveis, pois estávamos todos numa mesma sintonia e propósito.

Mesmo com as dores intensas é possível sentir prazer e bem estar durante o trabalho de parto, isto depende muito de como recebemos estas dores, do significado que damos a elas. Receber cada contração como um abraço no bebê, procurava visualizar assim. É importante não fugir da dor, mas ficar presente nela, respirando, entregando para o processo, mantendo a base, contato com o chão, mergulhar para dentro de si, encontrar espaço de silêncio interno foram ferramentas que utilizei para me abrir. Confiar no corpo, ele sabe o que faz.


Procurei ficar ativa o tempo todo, andando pelo jardim e quando as contrações vinham acocorava e procurava respirar profundo. Algumas posturas facilitaram muito o meu processo de parto, como cócoras, de quatro, sentar na bola, massagens com a bola nas costas, sempre focada na respiração. Emitia sons durante a dor, liberava a mandíbula e isso auxiliava na minha abertura e entrega. A entrega é o resultado de uma confiança profunda, um contato intenso com a nossa intuição. Para acessar a entrega precisamos permitir que a nossa autoconfiança se manifeste.

A minha confiança vinha da conexão que estabeleci com o Gabriel durante a gestação, eu sentia a vontade dele vir para a vida e acreditei o tempo todo nisso e que tudo daria certo. Conectar com o propósito de vida dele me trouxe mais força e poder, sabia que não estava sozinha.

Fomos para a maternidade quando estava de 6 cm de dilatação. Optamos por um quarto PPP, (pré parto, parto e pós parto no mesmo local). Criamos um clima de celebração no quarto e esperávamos pela chegada do Gabriel todos muito felizes Continuei fazendo posturas, dancei, recebi massagens e muito carinho.

Meu marido foi fundamental no processo, teve uma qualidade linda de presença, ficou tranquilo e me passava também muita confiança. Este é o papel do companheiro, apoiar a mulher e transmitir força e amor neste momento.
Aos 7 cm de dilatação, minha irmã chegou, com ela frutas, damasco, castanhas e sucos para que eu pudesse ter energia para continuar no processo de parturição. A Dra. Valéria deixou livre a dieta, foi super querida e solidária me trouxe também frutas e mel. É comum durante as contrações a parturiente ter ânsia de vômito, isso aconteceu comigo na fase de transição, na verdade é um momento em que algo se abre, limpa e isso facilita a entrega.


Aos 8cm de dilatação fui para a banheira. Foi muito bom, não queria sair de lá. As contrações estavam mais intensas, mas na água sentia muito alívio. O único problema foi que meu trabalho estagnou aos 8cm, fiquei umas 3 hs, sem dilatação. Saí da banheira e procurei fazer mais movimentos, para estimular. Na verdade tinha muito líquido na bolsa e a única intervenção que precisei ter foi um rompimento de bolsa que foi muito bem conduzido. Não dói para romper a bolsa, mas as contrações se tornam mais fortes e intensas e chegamos no ápice da dor. No meu caso foi rápido pois 5min depois o Gabriel já estava nascendo.

Optei em fazer o parto vertical, numa banqueta própria, meu marido atrás de mim me dando apoio. Foi um momento muito forte, não precisei fazer muita força, simplesmente deixei me levar pelo puxo, muito lindo, a sensação era que eu também estava nascendo naquele momento, fechei os olhos e deixei vir. O mais surpreendente é que neste momento a dor não é tão doída, é um prazer passar por ela. Ele saiu tranquilo, foi rápido e logo veio para os meus braços, que emoção! Me veio uma sensação de plenitude e inteireza. Ficamos um bom tempo ali nos reconhecendo, sentindo o seu cheiro, dando boas vindas. Meu marido foi quem cortou o cordão umbilical. Não foi preciso fazer nenhum tipo de intervenção no meu filho, que nasceu de apgar 10. Não precisei de episiotomia. Tive uma pequena laceração.

Momento único
Por fim meu filho nasceu da maneira que desejei, num campo de muito amor, respeito e dignidade.

Quero deixar esta mensagem para que as mulheres acreditem mais em si mesmas e no seu potencial de gerar e parir de forma mais consciente e humanizada.

Agradeço a todas as pessoas que participaram deste evento e que me deram apoio . Em especial à Dra. Valéria Valença e à Dra. Lívia Martins que tanto me apoiaram e me deram todo o seu carinho e uma assistência maravilhosa. Ao meu marido Fabrício onde o seu equilíbrio, amor e qualidade de presença, foram fundamentais para o nascimento do nosso filho Gabriel. A presença das minhas amigas Alessandra que também teve um lindo parto neste mesmo quarto e me inspirou e Mariana que levou o seu carinho. À enfermeira Lucy da Maternidade Modelo que foi muito atenciosa e solidária. À minha irmã Simone e minha sobrinha Priscila que acompanharam e registraram amorosamente este momento tão sublime da minha vida. Ao campo de proteção que esteve presente e principalmente à Deus que me enviou este ser de luz,um bebê calmo, lindo e saudável. Sou muito grata à vida por ter me dado filhos maravilhosos.

17 comentários:

  1. Muito emocionante seu relato e uma experiência que consolida o que o blog propoẽm! Namastê!
    Por compartilhar um momento tão precioso da sua vida feminina e familiar!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Alessandra, me emocionei muito com o seu relato e com as fotos...espero que essa experiência toque também outras mulheres ajudando a cada uma na busca da realização do sonho de ser mãe e no resgate da força feminina. Confesso que aumentou meu desejo de mais uma vez experimentar esse doce sabor.

    ResponderExcluir
  3. Alê, que relato emocionante,nossa como você foi abençoada com esta expriência . A melhor dádiva que Deus deu as mulheres foi o privilégio de sermos mãe ! Parabéns que Deus abençoe você e sua família sempre! Obrigada por ter compartilhado sua linda história! Andréa.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Alessandra,
    Impossível não transbordar alegria e emoção pelos olhos, ao lermos seu relato. Fico imensamente feliz por você ter tido uma experiência tão linda, saudável e emocionante. Principalemnte você que ajudou e ajuda tantas mulheres nesse encontro consigo mesmas, com nossa maior feminilidade: a maternidade.
    Desejo com o coração palpitante, que você continue tão iluminada e abençoada como é.
    Aproveito e te agradeço mais uma vez o importante papel que você teve no nascimento das minhas primeiras e ainda únicas filhas gêmeas, de parto natural. Hoje, elas estão com quase 1 ano, e ao ler seu relato me reportei ao meu parto, também tão lindo, abençoado e rápido e tranquilo...
    Namastê! Abraços a você e toda sua família!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Márcia, obrigada pelas suas palavras. Você é uma pessoa muito especial, não é para qualquer uma vivenciar um lindo parto natural de gêmeas como foi no seu caso. Experiência como a sua só nos fortalece e nos faz ir de encontro com o aspecto mais íntimo do nosso Ser. Você é um exemplo de força, determinação, coragem, que sua experiência possa auxiliar muitas mulheres nesta linda jornada. Suas filhas irão se orgulhar muito de tudo de bom que vocês transmitiram a elas.
      Quando quiser dar o seu relato de parto este espaço foi criado para isto para que possamos ampliar nossa rede em favor das mulheres.
      Felicidades para você e sua família.

      Excluir
  6. Alessandra adorei seu relato!!!! Tb quero um parto natural.....
    Vc teria o contato dos profissionais para me indicar?
    Ana

    ResponderExcluir
  7. Alessandra, muito lindo e emocionante seu relato!
    Participei ontem, pela primeira vez, da preparação para o parto normal, que você ministra na Medicina Preventiva da Unimed. Já havia visto seu blog antes, quando pesquisava a respeito do parto normal após cesárea. Fico muito feliz por saber que você conseguiu passar por essa experiência, pois tive minha primeira filha por meio de uma cesárea, e assim como aconteceu com você, desejo muito que esta segunda filha venha por meio do parto normal. Ontem, durante sua aula, cheguei a me emocionar ao pensar nessa possibilidade, pedindo a Deus para que tudo corra bem e para que eu possa ter o parto que tanto desejo. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Alessandra, hoje achei seu blog no google por esse tema. Estou na 19ª semana de gestação e quero ver sobre o parto humanizado na água. Queria saber de você onde encontrar os médicos e hospitais que nos disponibilizam esse tipo de parto. Aguardo ansiosa seu contato.

    ResponderExcluir
  9. Tambem gostaria de saber onde posso encontrar os hospitais que fazem este parto humanizado na agua.
    meu email e gayce1@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. Muito lindo o seu depoimento! Fiquei realmente emocionada!Estou de 35 semanas e espero ter um parto maravilhoso assim como o seu foi! Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Emocionante o seu relato. Estou de 8 semanas e ansiosa por conhecer referências em Goiânia que trabalham com o parto consciente e humanizado. Você ministra cursos, é isso mesmo? É só pela Unimed? Meu e-mail é paulamarcela_cs@yahoo.com.br. Quero indicações de médicos, cursos preparatórios, todas estas coisas, se possível. Vou ler o seu blog um pouco mais. Abs!

    ResponderExcluir
  12. Oi boa tarde!
    Adorei o seu relato sobre o parto, gostaria de pedir referências de médicos aqui em Goiania que atendem pela Unimed e que façam o parto humanizado pois estou com 11 semanas comecei meu pré natal mas não estou satisfeita com a minha médica eu sempre disse que queria parto normal e na água mas ela insiste em me convencer de fazer cesária dizendo que eu não vou sentir dor. Meu e-mail é geisacoliveira@gmail.com se puder me ajudar serei muito grata.

    ResponderExcluir
  13. Mulheres fico muito feliz que de alguma forma a minha experiência tenha tocado cada uma de vcs. Estou aberta para acolher cada mulher que deseja ter uma experiência mais humanizada no seu parto. Não vou neste espaço fazer indicações de profissionais, mas se quiserem conversar comigo por e mail, me coloco à disposição de todas vcs. E-mail: alessandra@ilion.com.br. Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Emocionante! Uma pergunta: alguma maternidade, em Goiânia, tem o banquinho para parto de cócoras? Estou buscando um p/ comprar, mas custa mais de 500 reais... Obrigada

    ResponderExcluir
  15. Doppler Monitor Fetal
    Para Gestante Ouvir E Monitorar o Coração do Bebê!

    http://www.contec.med.br/Doppler-Monitor-UltrasSom-Fetal-Contec-Med-Baby-Sound-B.html

    ResponderExcluir
  16. Bom dia a todos.
    Sou do Estado do Pará, não tenho filhos, estou me programando para fazer um bebê lindo nesse final de ano.
    O parto humanizado me atrai muito, mas não conheço profissionais aqui no Pará que fazem esse tipo de trabalho.
    E gostaria de conhecer mais a respeito desse assunto em Goiania.
    Se você puder me falar sobre valores e locais de atendimento do parto humanizado, seria muito bem vindo.
    Meu email é lpcr10012014@outlook.com
    Agradeço as informações.

    ResponderExcluir